Cyberpunk 2077



Após a tão esperada atualização next gen ter sido lançada, resolvi jogar Cyberpunk 2077 e só posso dizer uma coisa: Que jornada alucinante pelas ruas de Night City. Cyberpunk é chocante em todos os aspectos, seja por sua cidade viva e imersiva, seja pelo enredo que aparenta ser simples mas que se torna aos poucos denso e pesado.


Enredo (sem spoilers)

O jogador assume o papel de V, porém sua origem e trajetória com certeza será única para cada jogador. Na tela de criação do personagem é possível escolher entre 3 facções (nômade, corporativo ou gangster) que irá afetar completamente o inicio do seu jogo e como o mundo interage com o jogador. Como por exemplo, como nômade V começa sua jornada fora da cidade após abandonar sua família nômade e ir em busca de fama como mercenário em Night City, já como Corporativo V começa sua jornada já em Night City conhecendo de perto todo o luxo das corporações.


O ponto alto narrativo e que quase nenhum jogo consegue alcançar é que CP possui uma narrativa tão bem construída que há uma sinergia natural entre main quests e side quests. Explicando melhor, ao longo do jogo V vai conhecendo diversos personagens e conforme a trama se desenrola há diversos efeitos colaterais que vão se desenrolando com personagens à sua volta e quando isso ocorria eu já estava tão envolvido com esses personagens que era impossível não atender seus pedidos de ajuda.


Obviamente que há outras sidequests somente ‘for fun’ por assim dizer mas ainda fiz várias delas apenas para poder explorar a cidade e conhecer cada canto da cidade, e que cidade!


É difícil descrever Night City, a melhor definição seria "viva". É demais a imersão ao caminhar pelas ruas da cidade, seja pela quantidade de NPCs nas ruas, carros, comerciantes, policiais e principalmente as propagandas e noticiários que passam nas TV's, elevadores, cartazes ou rádios. Isso dá um toque especial de realidade e passa a sensação de que a cidade realmente gira sozinha.


Um exemplo disso, sem spoilers, foi que praticamente no início do jogo ouvi no noticiário de elevador que uma pessoa importante havia morrido, quase no final do jogo recebi uma ligação perguntando se eu queria um serviço e após aceitar, adivinhem… Era para investigar essa morte.


E para fechar com chave de ouro, assim como começos distintos o jogo também possui 4 finais completamente distintos que definem o final da jornada de V, como falei, a experiência vai ser única para cada jogador.


AH!! Mas e o Keanu Reeves? Bom, é a master piece do jogo, um dos melhores personagens dos videogames. E não vou falar mais do que isso pois é o primeiro grande plot do jogo a aparição dele.


Jogabilidade

Assim como em todo RPG, o jogo possui uma árvore de atributos e habilidades para jogador evoluir, ou seja, o jogador sempre recebe 1 ponto que pode ser distribuído em atributos e outro em habilidades, os atributos são divididos em:


  • Constituição: Habilidades atléticas

  • Inteligência: Protocolo de defesa (contra hacking externo) e hacking rápido.

  • Temperamento: Furtividade e probabilidade de acerto crítico.

  • Habilidade técnica: construção e engenharia de objetos.

  • Reflexos: pistolas, espadas e rifles de assalto.


Fora os atributos há também as habilidades que podem ser desbloqueadas dentro de cada atributo, como por exemplo, melhorar o dano com pistolas e rifles, aumentar a velocidade de esquiva, velocidade dos hackeamentos e etc.


O ponto interessante é que nem todas as habilidades vem desbloqueadas, elas vão sendo liberadas para que o jogador coloque seus pontos conforme o estilo de jogo adotado, como por exemplo, se o jogador usar muitos ataques corpo a corpo irá desbloquear mais habilidades atléticas, se usa muita pistola, irá desbloquear mais a árvore de habilidades da pistola e etc.


O único ponto que posso dizer como ‘baixo’ na jogabilidade é a dirigibilidade que é algo que dificilmente acertam nesses jogos de mundo aberto, porém não é algo grotesco que estrague a experiência. A soundtrack das rádios são bem boas e acaba sendo gostoso dirigir pela cidade.


Gráficos

Não tem como não elogiar, os gráficos do jogo são um show à parte, a cidade é muito bonita principalmente a noite. A única crítica aqui é em relação ao ray tracing, o uso do recurso não muda muita coisa e faz perder uma qualidade absurda de desempenho.




Som

Como já citei acima, o soundtrack do jogo é animal, seja nas rádios, seja nos momentos de ação.


Conclusão

Cyberpunk já é um dos melhores jogos que joguei na nova geração, não só pelo seu enredo genial mas é um jogo que eleva o mundo aberto urbano a outro patamar. É sem dúvida uma experiência que todo amante de jogos deveria provar.


Plataforma: Xbox Series X

Gamertag: freedowsRoO



21 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Tunic